Raquetes de Tênis de Mesa

Tênis de Mesa

Um esporte fascinante, parente próximo do Tênis de Campo, que surgiu por conta de muita criatividade e como uma solução para condições climáticas desfavorecidas. Por volta de 1880, jogadores de um clube inglês, num dia de chuva, improvisaram um novo jogo por conta do mau tempo, sobre uma mesa de sinuca utilizaram alguns livros como raquetes, um barbante como rede e uma bola de tênis normal. Assim surgiram as primeiras raquetadas no Tênis de Mesa.

Encarado como brincadeira no começo, o desenvolvimento da modalidade começou com regras bem similares às do tênis de quadra. O grande passo dado pelo esporte veio em 1890, com a introdução da bola de celulóide, perfeita para a prática do esporte. A partir dali, o tênis de mesa começou a dar passos mais largos rumo à modernização.

No século XIX, o ex-corredor de maratonas inglês James Gibb voltou de uma viagem de negócios dos Estados Unidos com bolas de celuloide de brinquedo, que ele imaginou poderem ser úteis para esse jogo em seu país. Ouvindo-as serem golpeadas por uma raquete oca, de cabo longo e feita de pele de carneiro, então popular, associou os sons produzidos pela bola na raquete com as palavras Ping e Pong, que deram origem ao nome do jogo. Ele submeteu o nome ao amigo-vizinho John Jaques, fabricante de produtos de esporte de Groydon, que o registrou através do mundo. Os direitos para os Estados Unidos foram mais tarde vendidos de Jaques para Parker Bros – e, ajudado por esse feliz coloquialismo, o jogo passou a ser uma mania elegante na virada do século.

Em 1900, o esporte chegou à China, introduzido por ocidentais. Um marco importantíssimo, já que atualmente a China é a grande potência da modalidade. Ainda assim, foi na Europa que surgiu a Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF, em inglês), em 1926. A federação instituiu regras mais claras e realizou já naquele ano o primeiro Mundial. Nas décadas seguintes, a competição foi dominada pelos europeus, mas a história mudaria.

Tão rápido quanto cresceu, o esporte morreu e permaneceu quiescente na Grã-Bretanha por 18 anos. O colapso pode ser atribuído a várias causas: o grande número de sistemas de jogos rivais e supostos organizadores (nada menos do que 14 livros de instruções foram registrados no catálogo da biblioteca do Museu Britânico neste curto período), uma certa monotonia do jogo quando praticado com equipamento inadequado e a invenção, em 1902, da borracha com pinos para a superfície da raquete, possibilitando tão grande efeito e velocidade que criou imediatamente um enorme abismo entre os experts e os principiantes.

Um progresso maior ocorreu na Europa Central. De 1905 a 1910, o jogo foi introduzido em Viena e Budapeste pelo representante de máquinas de escrever e futebolista amador Edward Shires. Mesmo anteriormente – por volta de 1889 -, implementos para jogar o tênis de mesa chegaram ao Japão, vindos da Grã-Bretanha, o que resultou numa peculiar distribuição que durou na China, na Coreia e em Hong Kong até o final de 1920. Esses transplantes vieram a produzir sementes importantes em etapas posteriores da história.

O renascimento da modalidade foi iniciado na Inglaterra e, em seguida, no País de Gales. Em 1922, após a I Guerra Mundial, J. J. Payne de Luton, um organizador dos velhos tempos, e Percival Bronfield de Beckenham, campeão nacional inglês adolescente em 1904, seguidos por A. J. Carris, de Manchester, e por outros, formaram uma Associação de Ping Pong. No entanto, encontrando-se legalmente impedidos por uma carta registrada, dissolveram-se e se reorganizaram no mesmo dia sob o velho nome do jogo. Eles redigiram cuidadosamente as regras do jogo, com intuito de receber sua aceitação nacional por todos os adeptos, e estimularam a criação e a venda de equipamentos de alto padrão. O sistema de duplas escolhido foi o que era praticado em outras épocas em Manchester. Quatro anos mais tarde, as regras tiveram penetração e foram de boa vontade aceitas no exterior. O código então se tornou base das regras internacionais, e o nome “Tênis de Mesa” foi oficializado com a fundação da Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF), em 1926. As modificações do jogo adotadas desde então foram as seguintes:

- A altura da rede baixou de 6,3 para 6 polegadas;
- A proibição do uso da mão livre para criar efeito no saque (uma invenção dos Estados Unidos nos anos 30);
- A padronização parcial da raquete: a regra atual estabelece uma lâmina simples de madeira, ou coberta diretamente por uma borracha com pinos ou por sanduíche (uma camada de borracha e outra de esponja por baixo dessa cobertura);
- O número de pontos em cada set passou de 21 para 11;
- Os jogos eram disputados em melhor de três, cinco ou sete sets. Hoje, podem acontecer em melhor de qualquer número ímpar;
- A bola agora tem 40mm e 2,7g; antes, tinha 38mm e 2,5g.

Com base nessas regras, no diminuto espaço e tempo requeridos, em comparação com muitos outros esportes, o tênis de mesa tornou-se um esporte de massa, com 207 associações filiadas à ITTF, muitas delas com centenas de milhares de jogadores filiados.

A introdução do uso de borracha na raquete, em 1960, por um japonês, possibilitou aos jogadores bater com mais velocidade e spin. Essa tecnologia alterou de maneira fundamental a parte técnica da modalidade. Com o avanço, veio também o crescimento avassalador dos orientais no esporte. Nos 5 anos seguintes os japoneses foram os principais campeões mundiais, passando depois o título para os chineses. Do fim da década de 1980 e até ao início da década de 1990 os europeus predominaram, especialmente os suecos, que quebraram a hegemonia de dominação chinesa no esporte.

O tênis de mesa é o esporte mais popular na China, que possui cerca de 10 milhões de praticantes federados. A nível mundial, estima-se que haja 300 milhões de praticantes ocasionais. Já os federados são cerca de 40 milhões, distribuídos entre 186 federações filiadas à ITTF.

O reconhecimento do Comitê Olímpico Internacional veio em 1977. Quatro anos mais tarde, o tênis de mesa foi aceito no programa das Olimpíadas. A estreia ocorreu em 1988, em Seul. Das 12 medalhas distribuídas naquela edição, nove ficaram com atletas asiáticos. A China dominou a disputa entre as mulheres, levando ouro, prata e bronze. No masculino, a Coreia do Sul, jogando em casa, ficou com ouro e prata, enquanto o sueco Erik Lindh faturou o bronze. Nas duplas, a China foi ouro, Iugoslávia prata e Coreia bronze entre os homens. Já entre as mulheres, as coreanas conquistaram a medalha de ouro. A China terminou com a prata e a Iugoslávia com o bronze.